HOME

Data: 28/02/2018
Local: Auditório 477, 4º andar - Hospital Universitário Pedro Ernesto
- HUPE
Horário:- 16 h

DEFESA PG-FISIOCIRURGIA - MESTRADO

Área de Concentração: Sistema Urogenital

LINHA DE PESQUISA: ANÁLISE ESTRUTURAL E ULTRA-ESTRUTURAL DOS ÓRGÃOS DO SISTEMA UROGENITAL EM SITUAÇÕES NORMAL E PATOLÓGICA, EM HUMANOS, FETOS, E ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO

HELCE RIBEIRO JULIO JUNIOR

e-mail: helcejunior@yahoo.com.br

“ESTUDO ESTRUTURAL DA BEXIGA EM FETOS HUMANOS NORMAIS E COM SÍNDROME DE PRUNE BELLY”
Orientador: Prof. Dr. Luciano Alves Favorito e Coorientador: Prof. Dr. Francisco José Barcellos Sampaio

Dissertação

RESUMO

A síndrome de Prune Belly é uma desordem caracterizada pela deficiência dos músculos da parede abdominal, malformações do trato urinário e criptorquia bilateral. O objetivo deste trabalho é a avaliação estrutural da bexiga de fetos com síndrome de Prune Belly (SPB). Foram estudadas três bexigas de fetos masculinos com esta síndrome e sete bexigas de fetos sem esta anomalia. A idade gestacional dos fetos foi determinada em semanas pós-concepção (SPC), de acordo com o critério do comprimento do maior pé. Após estas medidas, os fetos foram cuidadosamente dissecados com magnificação de 16/25x. O abdome e a pelve fetal foram dissecados para a identificação do trato urogenital. A bexiga e a próstata foram separados das outras estruturas e fixados em formalina tamponada 10 %. Realizou-se processamento histológico de rotina para inclusão em parafina e, em seguida, foram feitos cortes de 5 µm de espessura com intervalo de 200 µm entre cada um deles. Os cortes foram corados com hematoxilina-eosina para verificar a integridade do material. Foi utilizado o Tricrômico de Masson para quantificar o tecido conjuntivo e o tecido muscular; Resorcina Fucsina de Weigert com prévia oxidação para observação das fibras do sistema elástico; e Vermelho de Picro-Sirius com polarização para observação dos diferentes tipos de colágeno. O tecido muscular, o tecido conjuntivo e as fibras do sistema elástico foram quantificadas por método estereológico. Imunostoquímica com tubulina (tubulina beta lll, anticorpo monoclonal de rato) foi realizada para avaliação dos nervos da bexiga. As imagens foram capturadas com a utilização do microscópio Olympus BX51 e da câmera Olympus DP70. As imagens, em seguida, eram transferidas para o software Image Pro. As fibras foram quantificadas com a utilização do software Image J (versão 1.34s; National Institute of Health, Bethesda, MD) para a determinação da densidade volumétrica (Vv) de cada componente. As médias foram estatisticamente comparadas utilizados os testes T não pareado e o Mann-Whitney test. O teste de Wilcoxon foi usado para as variáveis continuas. O valor de p<0.05 foi considerado estatisticamente significativo. Os fetos com síndrome de Prune Belly tinham idade entre 17 e 31 SPC, pesavam entre 240 e 2150 g e tinham o CVC entre 18 e 43 cm. Os fetos do grupo controle tinham idade entre 12 e 35 SPC, pesavam entre 210 e 2860 g e tinham o CVC entre 18 e 34 cm. A análise quantitativa demonstrou que o tecido muscular era significativamente menor (p=0.04) nos fetos com síndrome de Prune Belly (9.67% a 17.75%, média=13.2%) quando comparado com o grupo controle (13.33% a 26.56%, média=17.43%). A análise qualitativa do colágeno demonstrou a predominância da coloração verde no grupo controle, sugerindo a presença de colágeno tipo 3 e a predominância de vermelha nos fetos com síndrome de Prune Belly, sugerindo a predominância de colágeno tipo 1 neste grupo. A análise qualitativa dos nervos com imunohistoquímica com tubulina demonstraram a predominância de nervos no grupo controle quando comparado com os fetos com síndrome de Prune Belly. A bexiga dos fetos com síndrome de Prune Belly tem uma concentração menor de fibras musculares lisas, colágeno tipo 3 e nervos. A alteração estrutural pode ser um dos fatores envolvidos na anomalia do trato urinário tais como a bexiga de grande capacidade nos pacientes com esta síndrome.

Palavras-chaves: Bexiga. Síndrome de Prune Belly. Histologia.

AVALIADOR PRÉVIO:

Prof. Dr. Waldemar Silva Costa (UERJ)

BANCA

Presidente: Dr. Waldemar Silva Costa (UERJ)

Membros Titulares:
Dr. Francisco José Barcellos Sampaio (UERJ)
Dr. Waldemar Silva Costa (UERJ)
Dr. Valter Javaroni (Hospital Geral de Bonsucesso)
Dr. João Paulo Martins de Carvalho (Hospital Federal Cardoso Fontes)
Dr. Nicolino Cesar Rosito (UFRGS)

Membros Suplentes:
Dra. Carla Braga Mano Gallo (UERJ)
Dr. Marco Aurélio Pereira Sampaio (UFF)
Dr. Marcelo Abidu Figueiredo (UFRRJ)

HOME